A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que seu país precisava pediu um “grande esforço nacional” para combater a disseminação do coronavírus.

Apesar da Alemanha ter uma taxa de infecção mais baixa do que muitas outras partes da Europa, a velocidade com que o vírus se espalhou nas últimas semanas deixou Berlim alarmada.

“Nosso sistema de saúde ainda pode lidar com esse desafio hoje, mas com essa velocidade de infecção atingirá o limite de sua capacidade em semanas”, disse a chanceler.

Domingo, 02/10, começou na Alemanha em 2 de novembro um bloqueio parcial, sob os termos acordados por Merkel e os 16 primeiros-ministros estaduais:

  • Escolas e jardins de infância permanecerão abertos;
  • Os contatos sociais serão limitados a duas famílias com um máximo de 10 pessoas e o turismo será interrompido;
  • Os bares fecharão e os restaurantes serão limitados a delivery;
  • As salas de tatuagem e massagem irão ficar fechadas;
  • As empresas menores duramente atingidas pelo bloqueio serão reembolsadas com até 75% de suas receitas de novembro de 2019;

Em 11 de novembro Merkel e os primeiros-ministros estaduais voltarão a se reunir por videoconferência para reavaliar a situação.

A chanceler disse que as medidas são necessárias para evitar uma emergência nacional.